Unhas

 

Pinto as unhas de vermelho no banheiro do escritório

Sei o quanto isso é inglório

Quero desafiar os moribundos

Que não podem fazer as unhas

Na hora que querem

Na cor que desejam

Do jeito que podem

 

Acordo e visto as roupas dela

Ela vai, eu vou

Entre emails, posts, unhas pintadas

Feijoadas

Risadas

Penso nela

O que está aprendendo, o que está ensinando

Com tanta sabedoriazinha?

 

Eu volto, ela chega

Eu fumo, ela vê tevê

Retoco as unhas, ela pede um Yakult.

Corto suas unhas.

Pego um Andersen ou um Sendak

Um Lobato ou uma Lispector

 

E estou finalmente com você

Enroladas em lençóis com cheiro de [enxaguante bucal

Trocando ideias e piolhos,

Memórias dos segundos em que não [estivemos próximas

E planos para um feriado distante

 

Acordo torta, com um pé na cara

Pijama de trenzinho e massinha agarrada [à cervical

Seus olhos trêmulos e a respiração [rançosa

Denunciam sonhos agitados

Um beijo, afago, a luz.

Apago.  

 

 

 

 

 

 

M18M: Por quais mares já navegou?

 

Nanda Silveira: Paris, Viena, Salzburgo, Berlim, Praga e Londres.

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Projeto SAMAMBAIA © Todos os direitos reservados. São Paulo / Brasil. 2017.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now